18 de janeiro de 2021
Fut Milionário
Fut Milionário

O filme “Jamaica Abaixo de Zero”, famoso no Brasil, inspira o triplista Jadel Gregório na busca por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi-2014. Integrante da equipe nacional de bobsled, o experiente saltador já assistiu à produção que retrata a saga dos jamaicanos no gelo.

“Dei muita risada. O filme mostra o desafio de entrar na competição, de lutar por um trenó. Assim como o Brasil, a Jamaica é um país quente e sem tradição no bobsled. A nossa ideia é mais ou menos parecida. Temos um desafio bacana e a equipe do Brasil pode se dar bem”, afirmou.

Lançada em 1993, a comédia “Jamaica Abaixo de Zero” é baseada na história real da primeira equipe do país a disputar a versão de inverno dos Jogos Olímpicos. Ainda que mantenha o atletismo como prioridade, Jadel espera que o time brasileiro de bobsled passe pela mesma experiência dos jamaicanos.

“Nós estamos cumprindo os pré-requisitos para conseguir a classificação para as Olimpíadas de Sochi. Se tudo correr como imaginamos nos próximos meses, vamos ter a chance de fazer parte da equipe de bobsled do Brasil na disputa dessa competição”, afirmou Jadel.

Vice-campeão mundial, finalista olímpico e atual recordista sul-americano no salto triplo, o atleta de 32 anos venceu a seletiva promovida pela Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) para formar a equipe nacional de bobsled.

Divulgação
Recordista sul-americano no salto triplo conseguiu vaga na equipe de bobsled por meio de seletiva da CBDG
O brasileiro está acostumado com o frio, já que viveu cinco anos na Inglaterra e atualmente se divide entre São Paulo e Canadá. A esposa de Jadel possui parentes no país norte-americano e, há aproximadamente três meses, teve um filho enquanto visitava seus familiares, em Edmonton.

A presença de competidores de atletismo no bobsled não é novidade. Nos Jogos de Salt Lake City-2002, Matheus Inocêncio, dos 110m com barreira, integrou a equipe que ficou conhecida como “Bananas Congeladas”. Em Turim-2006, Claudinei Quirino, prata no revezamento 4x100m nas Olimpíadas de Verão de Sydney-2000, fez o mesmo.

“O bobsled vai servir como base para o atletismo. As competições de bobsled do segundo semestre vão ser úteis na minha preparação para a temporada indoor de atletismo de 2014, que começa em fevereiro. O treinamento fica mais voltado a velocidade e tração”, explicou triplista.

A primeira experiência de Jadel no bosled foi frustrante. Em situação financeira delicada, a CBDG alugou o trenó dos australianos para disputar a etapa de Lake Placid da Copa América, realizada em março. Com o corpulento saltador, a equipe brasileira ultrapassaria o limite de 630 kg estabelecido para competir.

Divulgação
Triplista Jadel Gregório, no fundo à esquerda, observa a decida dos compaheiros brasileiros no bobsled de 4 pessoas
“Foi legal ter visto tudo de perto e ter vivido um pouco dessa experiência diferente que é o bosled. Espero que na próxima competição a equipe já esteja com uma estrutura melhor e com um novo trenó para que eu possa contribuir”, declarou o triplista.

Sem Jadel, o Brasil competiu em Lake Placid com Edson Bindilatti, Edson Ricardo Martins, Cleiton Dias Sabino e Odirlei Pessoni. Para se credenciar à briga por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Sochi, a equipe precisa participar de cinco competições em três pistas distintas ao longo de duas temporadas.

Por enquanto, Jadel mantém as atenções voltadas ao atletismo e ainda busca o índice de 16,85m para disputar o Mundial de Moscou-2013, a ser realizado em agosto. Entre os dias 6 e 9 de junho, ele deve participar do Troféu Brasil, no Estádio Ícaro de Castro Mello.

O filme “Jamaica Abaixo de Zero”, famoso no Brasil, inspira o triplista Jadel Gregório na busca por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi-2014. Integrante da equipe nacional de bobsled, o experiente saltador já assistiu à produção que retrata a saga dos jamaicanos no gelo.

“Dei muita risada. O filme mostra o desafio de entrar na competição, de lutar por um trenó. Assim como o Brasil, a Jamaica é um país quente e sem tradição no bobsled. A nossa ideia é mais ou menos parecida. Temos um desafio bacana e a equipe do Brasil pode se dar bem”, afirmou.

Lançada em 1993, a comédia “Jamaica Abaixo de Zero” é baseada na história real da primeira equipe do país a disputar a versão de inverno dos Jogos Olímpicos. Ainda que mantenha o atletismo como prioridade, Jadel espera que o time brasileiro de bobsled passe pela mesma experiência dos jamaicanos.

“Nós estamos cumprindo os pré-requisitos para conseguir a classificação para as Olimpíadas de Sochi. Se tudo correr como imaginamos nos próximos meses, vamos ter a chance de fazer parte da equipe de bobsled do Brasil na disputa dessa competição”, afirmou Jadel.

Vice-campeão mundial, finalista olímpico e atual recordista sul-americano no salto triplo, o atleta de 32 anos venceu a seletiva promovida pela Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) para formar a equipe nacional de bobsled.

Divulgação

Recordista sul-americano no salto triplo conseguiu vaga na equipe de bobsled por meio de seletiva da CBDG

O brasileiro está acostumado com o frio, já que viveu cinco anos na Inglaterra e atualmente se divide entre São Paulo e Canadá. A esposa de Jadel possui parentes no país norte-americano e, há aproximadamente três meses, teve um filho enquanto visitava seus familiares, em Edmonton.

A presença de competidores de atletismo no bobsled não é novidade. Nos Jogos de Salt Lake City-2002, Matheus Inocêncio, dos 110m com barreira, integrou a equipe que ficou conhecida como “Bananas Congeladas”. Em Turim-2006, Claudinei Quirino, prata no revezamento 4x100m nas Olimpíadas de Verão de Sydney-2000, fez o mesmo.

“O bobsled vai servir como base para o atletismo. As competições de bobsled do segundo semestre vão ser úteis na minha preparação para a temporada indoor de atletismo de 2014, que começa em fevereiro. O treinamento fica mais voltado a velocidade e tração”, explicou triplista.

A primeira experiência de Jadel no bosled foi frustrante. Em situação financeira delicada, a CBDG alugou o trenó dos australianos para disputar a etapa de Lake Placid da Copa América, realizada em março. Com o corpulento saltador, a equipe brasileira ultrapassaria o limite de 630 kg estabelecido para competir.

Divulgação

Triplista Jadel Gregório, no fundo à esquerda, observa a decida dos compaheiros brasileiros no bobsled de 4 pessoas

“Foi legal ter visto tudo de perto e ter vivido um pouco dessa experiência diferente que é o bosled. Espero que na próxima competição a equipe já esteja com uma estrutura melhor e com um novo trenó para que eu possa contribuir”, declarou o triplista.

Sem Jadel, o Brasil competiu em Lake Placid com Edson Bindilatti, Edson Ricardo Martins, Cleiton Dias Sabino e Odirlei Pessoni. Para se credenciar à briga por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Sochi, a equipe precisa participar de cinco competições em três pistas distintas ao longo de duas temporadas.

Por enquanto, Jadel mantém as atenções voltadas ao atletismo e ainda busca o índice de 16,85m para disputar o Mundial de Moscou-2013, a ser realizado em agosto. Entre os dias 6 e 9 de junho, ele deve participar do Troféu Brasil, no Estádio Ícaro de Castro Mello.

Fut Milionário
Fut Milionário

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: